12 de setembro de 2010

Marina And The Diamonds

Colonizadores da América do Norte, os ingleses mantém um padrão 'acima da média' digamos assim.
As séries de tv inglesas são de qualidade impecável, a publicidade britânica é super premiada e aclamada, todos concordam que o sotaque britânico é um dos mais sexys do mundo, e grandes nomes da música são nascidos lá na terra da rainha. E é de lá que vem o meu mais novo vício quando se trata de música: Marina And The Diamonds.
Marina Diamandis cujo sobrenome de origem grega (que se traduz por diamantes) deu origem ao nome da banda, chegou ao estrelato ao conquistar o segundo lugar na BBC Sound Of 2010, uma lista publicada pela BBC britânica com as revelações musicais mais promissoras do momento.
Os fãs de Jay Vaquer são os mundiças, os fãs de Lady Gaga são os little monsters, da mesma forma, os fãs de Marina são os diamantes!
Não posso fugir do clichê e dizer que Marina não é comparável a nenhum artista que eu conheça, com um forte sotaque britânico, uma voz grave e expressiva e uma postura dúbia ora menininha ora mulherão escondidas em sua face de 24 anos, Marina é a responsável pela minha recente melhor surpresa em termos musicais, ouvi pela primeira vez e daí para me apaixonar por seu trabalho foi um pulo.
Em fevereiro de 2010 a cantora lançou seu primeiro cd, The Family Jewels, algo como Joias de Família, o qual traz músicas que mesclam baladas pop e um estilo mais denso. Suas composições são melancólicas e cheias de reflexões, a propósito, Marina é a compositora de todas as 13 canções do cd que carregam uma força feminina interna e a fragilidade do ser humano.
Marina não é muito normal, mas passa longe da bizarrice (isso não é uma crítica) de Lady Gaga e Ke$ha por exemplo, a própria descreveu sua visual como vintage, cheerleader e cartoon.
Conheça mais da cantora acessando seu site www.marinaandthediamonds.com e seguindo seu perfil no Twitter @MarinasDiamonds.

Foi com Oh No! que a conheci, a balada pop de ótima sonoridade critica a sociedade em busca do sucesso sobre todas as coisas. Curte a letra.
"Não preciso de amor, não preciso de amigos, eu só estou atrás de sucesso, não preciso de uma relação"
"Porque eu sinto que sou a pior é que ajo como se fosse a melhor"
"A tv me ensinou como me sentir agora a vida real não tem mais graça"
O videoclipe da música é ótimo com uma jogada Amy Winehouse e cartoon, o pop dos melhores foi  a razão de ter me chamado tanto a atenção, e as expressões e caras e bocas de Marina são o que há de melhor no vídeo super bem dirigido.

Viva a América, o melhor lugar do mundo, o único lugar em que se pode ser feliz... é meio assim acidamente que Hollywood versa sobre essa imagem de perfeição que carrega os Estados Unidos.
A música conta a história de Anya, uma garota polonesa que foi para os States atrás do glamour.
"Rainha Americana é o sonho americano"
"Eu a perguntei 'Por que você quer ser uma esposa americana?' 'Porque eu não quero terminar morando num apartamentinho alugado em Vine (rua de má reputação em Los Angeles)"
"Hollywood infectou sua mente você quer beijar na chuva, vivendo numa cena de filme, vomitando sonhos americanos"
"Estou obcecada com essa bagunça que é a América"
O videoclipe mostra essa força que o desejo pelo American Way Of Life faz nas pessoas, e é irônico ao extremo.


Quem nunca tomou um belo porre que atire a primeira pedra! Shampain, o mais recente single da cantora tem uma melancólica composição.
"Bebendo champanhe para esquecer ontem porque me lembro o modo como terminou o dia em que fugi"
"Bebendo champanhe feito por um anjo que atende pelo nome de Gabriel Cintilante, bebendo champanhe feito de anjos, lágrimas e dor mas me sinto celestial"
"Eu me pergunto quando a noite vai atingir seu fim, o sono não é meu amigo"
"Bebendo champanhe destinado a um casamento, um brinde à noiva, um final de conto de fadas, bebendo champanhe, uma garrafa para que eu saboreie a riqueza fabricada"
O videoclipe lançado na semana passada traz Marina de porre em um cemitério junto a outras garotas mamadas, numa homenagem a Thriller de Michael Jackson o clipe é sombrio e agonizante.

Selecionei essas três músicas que são singles da cantora para apresentar o vídeo, agora algumas outras.
Já falei aqui no blog de Are You Satisfied?
"Você está satisfeito com uma vida na média?" "Ah todo mundo dizia 'A Marina é uma sonhadora'" "Não é problema meu se você não vê o que eu vejo e eu não dou a mínima se você não acredita"
Gosto também de I Am Not A Robot
"Tudo bem você dizer que tem um ponto fraco, você não precisa estar sempre no topo" "Você é vulnerável, você é adorável, você não é um robô" "Adivinha só, eu não sou um robô"
Obsessions tem a intrigante (e agonizante para o ouvinte) relação obsessiva de um casal 
"'Você não vai parar de chorar? Não consigo dormir' Num minuto sou um docinho no próximo você é uma merda" "Temos obsessões, eu quero acabar de vez com todos as ideias tristes que me vêm quando estou te abraçando, temos obsessões, tudo o que você pensa são ideias doentias envolvendo a mim e envolvendo a você"

Há ainda um vídeo de Hollywood acústica que merece seu clique. Veja aqui.
Então mais uma vez deixo o convite de visitar o site, seu canal no Youtube e conhecer mais desta incrível cantora que - desejo - ainda vai me surpreender bastante. Quem sabe você também não se torna um diamante!

2 de setembro de 2010

A Cura

João Emanuel Carneiro, este é o nome do cara.
Autor da melhor novela dos últimos tempos, A Favorita, JEC também é a mente por trás de recentes sucessos: Da Cor do Pecado e Cobras e Lagartos. Após essas duas novelas das sete, provou seu talento e conseguiu entrar no grupo dos autores das novelas do horário nobre. Sua estreia no horário das oito com A Favorita alavancou ainda mais o seu nome que já está reservado para uma nova produção em 2012.
Como 2012 ainda se aponta longe no horizonte JEC não ficou parado, durante este intervalo atuou como supervisor de texto em Cama de Gato e agora está no ar com a (micro)série A Cura. E é este o tema principal do post de hoje.
A Cura traz a junção que fez sucesso em A Favorita, João Emanuel Carneiro e Ricardo Waddington, diretor responsável pelas cenas de tensão elevada da novela. Além de contar com um elenco global de grandes nomes.
A série trouxe de volta à tv Selton Melo e trouxe à Globo Andreia Horta. Selton dispensa apresentações, é um dos maiores talentos nacionais com competência provada e comprovada com inúmeros trabalhos no cimema e na tv. Andreia Horta já fazia sucesso na tv a cabo e fez uma novela na Record, eu ouvia muito falar do sucesso da atriz mas não conhecia seu trabalho e estou deliciosamente encantando com sua atuação.
Um importante detalhe: todos os atores escalados são mineiros para dar mais veracidade à história que se passa em Diamantina, e  se posso falar, o sotaque mineiro é tão gostoso de se ouvir, especialmente quando Andreia Horta está dizendo algo.
A série é cheia de mistérios, mais uma vez JEC implica várias dúvidas no espectador nos jogando no meio de uma história sem que saibamos muito bem o que se passa. Uma personagem chave é (era) Edelweiss, interpretada por Inês Peixoto que acabou se tornando a estrela da série, a mulher considerada louca sabia de todos os segredos da cidade e sua peculiar forma de se comportar movimentou os primeiros episódios da série, mas se Edelweiss nos contasse tudo de cara não teria graça, o que JEC fez? Matou a personagem e ainda não se sabe o autor (ou autora) do crime.
A história de Silvério lá no século XVIII também esconde algumas das feridas que ainda doem na Diamantina atual.
Mais segredos estão escondidos na geração anterior da cidade, na qual Otto foi o personagem ao mesmo tempo amado e odiado por muitos.
Mistérios, segredos, dúvidas, ação e Carmo Dalla Vecchia ¬¬ estes são os ingredientes de uma boa história de João Emanuel Carneiro. Temos ainda poucos episódios à frente, cerca de 5 ou 6, aguardo ansiosamente o resto da história que me permite desfrutar do talento deste que já é o meu autor de novelas preferido.

Né?

Efeito Cubo, Efeito Cubo... cadê você?
Pois é, este blogueiro (?) que vos fala não sabe nem o que dizer a respeito da paralisia em sua falta de vontade e cuidado com o blog.
Ainda estou tendo dificuldades para encontrar o diferencial do Efeito Cubo, porque fazer mais do mesmo não tem muita graça.
Então decidi o seguinte, o blog vai seguir na ativa, mas não vou criar muitas expectativas sobre isso, não vou divulgar, vou simplesmente blogar, talvez vez ou outra consiga alguma visita. (haha)

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails